Profeta Daniel

Daniel é um personagem bíblico citado no Antigo Testamento, e que possui um livro que leva seu nome. Sua história na Babilônia, suas visões e interpretações de sonhos e, sobretudo, o famoso episódio envolvendo a cova dos leões, fazem do Profeta Daniel um dos personagens mais conhecidos por todos. Neste estudo bíblico, aprenderemos sobre quem foi Daniel na Bíblia, conhecendo cada detalhe de sua biografia.

Quem foi Daniel?
Primeiramente precisamos saber que existem mais de um Daniel mencionado na Bíblia. Antes de falarmos do Profeta Daniel, conheceremos os outros personagens com o mesmo nome:

Daniel filho de Davi, também chamado de Quileabe, foi o segundo filho do rei Davi com Abigail. Ele era mais velho que seus irmãos Absalão e Adonias, porém nada mais é registrado sobre ele (1Cr 3:1).
Daniel descendente de Itamar e que acompanhou Esdras (Ed 8:2), também sendo um dos signatários do Pacto (Ne 10:1).
No livro do Profeta Ezequiel existem referências a um personagem por nome de Daniel. Esse Daniel é citado como alguém muito justo e excepcionalmente sábio (Ez 28:3). Além disso, o Daniel citado em Ezequiel é comparado a Noé e Jó, como exemplos de justiça. A identidade desse personagem tem sido muito debatida ao longo dos anos. Alguns intérpretes defendem que se trata do Profeta Daniel, contemporâneo de Ezequiel e que estava no exílio babilônico. Outros defendem que esse personagem não é o conhecido profeta bíblico, baseando-se na diferença de grafia do nome em hebraico, algo como Dan’el ao invés de Dani’el. De acordo com essa sugestão, o Daniel citado no livro de Ezequiel poderia ser uma referência a um personagem heroico mencionado num texto ugarítico antigo. Esse personagem era um rei, conhecido por ser um governante extremamente justo, que se preocupava com as viúvas e com os órfãos. Se nesse caso, realmente o Daniel do livro de Ezequiel for uma referência a esse rei, então além de ser conhecido por sua integridade pessoal, ele tinha em comum com Noé e Jó o fato de não ser israelita.
Agora que conhecemos os outros personagens bíblicos com o nome de Daniel, vamos abordar a história do Profeta Daniel. Antes, também é interessante saber que o significado do nome Daniel é “Deus é meu Juiz”.

O Profeta Daniel
Daniel foi um profeta, o quarto dos chamados “Profetas Maiores”, e personagem principal do livro de Daniel presente no Antigo Testamento. Nada se sabe sobre sua vida além do que é relatado no livro que traz seu nome.

Sabemos que o Profeta Daniel foi um israelita de linhagem nobre e real (Dn 1:3), levado cativo de Judá para a Babilônia pelo rei Nabucodonosor, em aproximadamente 605 a.C., no terceiro ano do reinado de Jeoaquim, rei de Judá (Dn 1:1).

Na Babilônia, juntamente com outros companheiros com qualidades semelhantes a ele, Daniel foi educado para o serviço no Império Babilônico, sendo instruído sobre a língua e a civilização dos caldeus (Dn 1:4). Dentre os companheiros de Daniel na Babilônia, o relato bíblico destaca três nomes: Hananias, Misael e Azarias, também conhecidos por seus nomes babilônicos Sadraque, Mesaque e Abednego respectivamente. Conforme o costume babilônico que atribuía nomes que faziam referências as suas deidades, Daniel também recebeu outro nome, no caso Beltessazar.

O rei da Babilônia determinou que fossem servidas aos jovens capturados as mesmas iguarias que eram servidas no banquete real da corte pagã. Porém, Daniel propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia (Dn 1:8). Isso parece indicar que possivelmente o alimento real era conflitante as regras alimentícias estabelecida na Lei de Moisés.

Daniel então conversou com o chefe dos eunucos, a qual Deus fez com que Daniel achasse graça e misericórdia (Dn 1:8), para que ele não precisasse comer daquele banquete. Inicialmente, foi feito um acordo para que durante dez dias fosse servido a Daniel e seus três amigos apenas legumes e água. Ao final dos dez dias, eles seriam examinados e comparados com os demais jovens que estavam se banqueteando com as iguarias do palácio. Após dez dias, Daniel, Hananias, Mizael e Azarias estavam com aspecto mais saudável do que qualquer outro jovem.

A Bíblia diz que Deus concedeu a estes quatro jovens, conhecimento e a inteligência em todas as letras e sabedoria, mas a Daniel, Deus também deu entendimento em toda a visão e sonhos (Dn 1:17).

Quando o período de treinamento determinado por Nabucodonosor terminou, os jovens foram conduzidos à presença do rei. Na ocasião, a Bíblia diz que não foram achados outros jovens tão capazes como Daniel, Hananias, Misael e Azarias, fazendo com eles ficassem assistindo diretamente diante do rei. O rei lhes fez várias perguntas sobre todos os assuntos nos quais se exigia conhecimento e sabedoria, e Daniel e seus três amigos se mostraram dez vezes mais sábios do que todos os magos e encantadores do Império Babilônico.

O Profeta Daniel interpreta os sonhos de Nabucodonosor:
O Profeta Daniel ganhou reputação inicialmente interpretando os sonhos do rei Nabucodonosor (Dn 2,4). Nabucodonosor havia tido um sonho que lhe deixou perturbado, e, convocando os magos, os encantadores, os feiticeiros e os astrólogos, pediu-lhes que revelassem não só o significado do sonho, mas o próprio conteúdo do sonho. Entretanto, eles não foram capazes de revelar o sonho ao rei, o que fez com que Nabucodonosor ordenasse que todos os sábios da Babilônia fossem executados, incluindo Daniel e seus amigos.

Ao saber disso, Daniel pediu um prazo para que revelasse ao rei o conteúdo do sonho e a interpretação do mesmo. Então, através de divina revelação, Daniel contou o sonho não revelado pelo rei, bem como a sua interpretação, que incluía a destruição do reino de Nabucodonosor (Dn 2:19-36).

Nabucodonosor, impressionado com o que aconteceu, honrou a Deus e recompensou Daniel com presentes preciosos, colocando-o como o governador de toda a província de Babilônia, além de principal governador de todos os sábios (Dn 2:48).

Mais tarde, o rei Nabucodonosor voltou a ter outro sonho da parte de Deus. Tal sonho envolvia o processo de humilhação a qual o monarca seria submetido devido ao seu orgulho e soberba (Dn 4).

O Profeta Daniel interpreta um estranho texto na parede:
Por pelo menos 20 anos (aprox. 561-539 a.C.), nada foi registrado sobre Daniel. Alguns estudiosos acreditam que ele tenha, de certa forma, perdido alguma posição privilegiada na corte depois da morte de Nabucodonosor.

O Profeta aparece em cena novamente por ocasião de um episódio ocorrido já durante o reinado de Belsazar, que exercia a co-regência da Babilônia com seu pai Nabonido. Belsazar deu uma festa, e acabou ordenando que trouxessem as taças de ouro e de prata que Nabucodonosor havia tomado de Templo de Jerusalém para que fossem profanadas por ele e seus convidados (Dn 5:1-3).

Num determinado momento, apareceram dedos de mão humana que começaram a escrever na parede do palácio (Dn 5:5). Quando nenhum dos sábios da Babilônia pôde desvendar o que havia sido escrito na parede, a rainha, provavelmente filha de Nabucodonosor e mãe de Belsazar, lembrou-se de Daniel, que acabou sendo convocado para interpretar a inscrição que dizia: “MENE, MENE, TEQUEL, PARSIM” (5:25).

De acordo com a interpretação do Profeta Daniel, a inscrição misteriosa da parede era uma referência à sentença sobre a conquista da Babilônia e a queda de seu rei. A interpretação exata dada pelo Profeta Daniel foi a seguinte:

Mene: Deus contou os dias do teu reinado e determinou o seu fim.
Tequel: Foste pesado na balança e achado em falta.
Peres: Teu reino foi dividido e entregue aos medos e persas.
(Daniel 5:26-28)

Tudo sucedeu conforme a interpretação do Profeta Daniel. Dario, o medo, matou Belsazar e conquistou Babilônia naquela mesma noite. Embora não exista qualquer referência extra-bíblica a um personagem medo com o nome de Dario, importantes estudiosos consideram que esse Dario citado no livro de Daniel é o governador da Babilônia no reinado de Ciro, identificado como Gobryas.

Daniel na cova dos leões:
Quando Dario tomou a Babilônia, logo ele reconheceu a habilidade e capacidade do Profeta Daniel. Dario separou cento e vinte governadores de províncias, e também escolheu três homens para agirem como supervisores dos governadores, a qual Daniel estava entre os três supervisores.

O Profeta Daniel, porém, começou a se destacar entre os supervisores, e o rei planejava colocá-lo à frente do governo de todo império (Dn 6:3). Diante disso, os governadores e os outros supervisores, começaram a tentar derrubar Daniel de seu posto. Como não encontravam nada que pudesse acusar o Profeta Daniel, então eles tramaram uma conspiração que afrontava a Lei de Deus, e colocava Daniel numa posição “sem saída”. O plano consistia em fazer com que o rei estabelecesse um decreto de que durante trinta dias todas as orações deveriam ser direcionadas a pessoa do rei, e quem desobedecesse seria atirado na cova dos leões (Dn 6:7).

Daniel não se abalou com tal decreto, ao contrário, como de costume o profeta orava três vezes ao dia em seu quarto, no andar de cima, onde as janelas davam para Jerusalém. Como parte da conspiração, os homens ficaram vigiando o Profeta Daniel, e assim que o encontraram orando a Deus, correram para contar ao rei.

Ao ouvir sobre a “desobediência” do Profeta Daniel, Dario ficou muito entristecido e tentou salvar Daniel até o fim do dia. Porém, os homens que tramaram contra o Profeta Daniel trataram de garantir que o decreto fosse cumprido, e Daniel lançado na cova dos leões.

Naquele dia, o rei foi para casa e não conseguiu dormir a noite. Quando o dia amanheceu, o rei se levantou depressa e correu para a cova dos leões. Aflito, o rei chamou pelo Profeta Daniel próximo à cova. Ao ouvir o chamado do rei, Daniel respondeu dizendo que Deus havia enviado o seu anjo para fechar a boca dos leões.

O rei ficou muito alegre e ordenou que tirassem o Profeta Daniel da cova. Em contra partida, Dario ordenou que aqueles que se levantaram contra Daniel fossem atirados juntamente com suas famílias à cova dos leões. Por fim, o rei ainda editou um decreto para que todos temessem e reverenciassem o Deus de Daniel.

As visões do Profeta Daniel:
Entre os capítulos 7 e 12, estão registradas as próprias visões do Profeta Daniel, as quais, entre outras coisas, predizem principalmente o triunfo do reino messiânico. Tais visões também são lembradas nos mais intensos debates teológicos acerca da escatologia bíblica.

O Profeta Daniel teve sua última visão registrada em seu livro, nas margens do rio Tigre, durante o terceiro ano do reinado de Ciro.

No Novo Testamento, Jesus, em Seu Sermão Escatológico, cita a profecia do Profeta Daniel acerca do “abominável da desolação” (Dn 9:27; 11:31; 12:11 cf. Mt 24:15; Mc 13:14), que historicamente se referia à profanação promovida por Antíoco IV Epífanio, e que prefigurava a profanação causada pelo general romano Tito na queda de Jerusalém em 70 d.C. Ainda sobre essa profecia, a maioria dos estudiosos concorda que tais eventos tipificam de alguma forma o Anticristo escatológico, que surgirá perto do fim da presente era (2Ts 2:3).

O Profeta Daniel foi um exemplo:
Daniel foi uma pessoa integra e justa, temente a Deus acima de qualquer coisa. Ele nunca aceitou se corromper, por maior que fosse o tesouro que lhe oferecesse. Daniel era fiel a Deus mesmo que isso custasse sua vida. Ele também nos mostrou como é possível buscar a Deus mesmo em uma terra estranha e mergulhada no paganismo.

Provavelmente o Profeta Daniel alcançou os 90 anos de idade, vivendo até aproximadamente 536 a.C., no terceiro ano do reinado de Ciro. Existe uma tradição rabínica que afirma que Daniel voltou para Jerusalém no final de sua vida, com a libertação dos exilados, e foi sepultado em Susa. Porém, não existe qualquer evidência maior para atestar tal tradição.

A História de Daniel na Cova dos Leões

Daniel na cova dos leões é uma das histórias mais conhecidas da Bíblia, e está registrada em Daniel 6. O profeta foi lançado na cova dos leões porque não deixou de adorar ao Deus de Israel. Com isto, ele infringiu o decreto do governante da Babilônia.

O episódio de Daniel na cova dos leões ocorreu durante o governo de Dario, apesar de muitas pessoas equivocadamente pensarem que foi durante o reinado do rei Nabucodonosor. Nesse tempo, a Babilônia já havia sido conquistada pelo Império Medo-Persa, que ocasionou a morte do rei Belsazar.

Como era a cova dos leões?
Era comum entre os reis do primeiro milênio antes de Cristo manter leões em cativeiro. Apesar disso, não existe um relato detalhado de como eram essas covas que serviam para manter os felinos presos.

Estudiosos sugerem que a cova dos leões era um tipo de buraco profundo, como um fosso. No topo havia uma cobertura, talvez ao nível da terra, com uma pequena abertura. De acordo com o texto bíblico, parece que essa abertura no topo era bem alta. Um homem não poderia alcança-la e escapar por ela (Daniel 6:17).

Provavelmente também havia alguma forma de acesso à cova pelas laterais. Talvez um tipo de porta por onde os animais ocasionalmente poderiam ser tirados ou colocados na cova. Talvez esse acesso lateral pudesse ser usado para alimentá-los também.

Algumas pessoas tentam especular quantos leões viviam em cada cova, mas não há qualquer dado realmente confiável nesse sentido. Há quem fale em um número de sete leões. Porém, tal informação é baseada num texto apócrifo que não desfruta de autoridade histórica.

Por que Daniel foi lançado na cova dos leões?
Daniel foi lançado na cova dos leões por dois motivos. O primeiro, diz respeito ao fato de ele ter contrariado um decreto real. Após a conquista da Babilônia pelos medo-persas, o profeta achou graça diante de Dario, o Medo.

Como consequência, ele começou a se destacar muito no império, tal como havia ocorrido durante os dias de Nabucodonosor. Daniel havia sido designado pelo rei como um dos três homens mais importantes de seu governo. Ele deveria supervisionar cento e vinte governadores de províncias que ele tinha estabelecido.

Todavia, por dádiva Divina, Daniel se destacou entre os demais de tal forma que o rei teve vontade de colocá-lo como superior sobre todo o reino. Isso despertou a ira e a inveja dos demais presidentes e governadores, que procuravam de alguma forma derrubar Daniel.

Como não conseguiram acusá-lo em nada, eles tramaram um plano contra Daniel. Ele foram propor que o rei firmasse um novo decreto. Esse decreto proibia que qualquer pessoa, no período de trinta dias, fizesse qualquer petição a outro homem ou a algum deus a não ser ao próprio rei. Quem desobedecesse deveria ser lançado na cova dos leões.

Ao saber disso, o profeta entrou em sua casa e orou a Deus como de costume. Seu quarto tinha as janelas apontando para o lado de Jerusalém. Ali ele orava e rendia graças ao Senhor três vezes ao dia (Daniel 6:10).

Quando aqueles homens flagraram Daniel orando a Deus, logo eles o acusaram formalmente. Com isso, o rei se viu obrigado a executar sobre ele a sentença prevista no decreto. Dario gostava de Daniel e até tentou achar uma maneira de livrá-lo da sentença, mas não conseguiu. Daniel foi lançado na cova dos leões e uma pedra foi colocada sobre a abertura da cova. O próprio rei selou a cova para que nada fosse alterado.

O segundo motivo que fez com que Daniel fosse lançado na cova dos leões está relacionado ao costume persa. Os persas eram o povo que governava a Babilônia naquele período. Ele eram zoroastrianos, e consideravam o fogo sagrado.

Assim, eles entendiam que era completamente inapropriado executar alguém através do fogo. Já os babilônios tinham na fornalha uma de suas principais forma de execução. O episódio envolvendo Sadraque, Mesaque e Abede-Nego na fornalha de fogo ilustra bem essa questão. É por isso que a sentença de morte contra Daniel consistiu em lançá-lo na cova dos leões.

O que aconteceu na cova?
A Bíblia apenas informa que Daniel não sofreu dano algum enquanto esteve na cova dos leões. Na verdade, a narrativa bíblica enfoca nessa parte mais a pessoa do rei Dario, e não a de Daniel. Dario foi para o seu palácio e passou a noite em jejum e sem conseguir dormir. Além disso, ele também dispensou qualquer tipo de distração (Daniel 6:18).

Algumas pessoas dizem que Daniel deitou em cima dos leões. Outras acreditam que o profeta fez de um deles seu travesseiro. Há ainda aquelas que imaginam que ele se cobriu com as jubas dos leões. Mas tudo o que realmente se sabe é que Daniel permaneceu na cova dos leões durante uma noite inteira. Ali, nada lhe aconteceu porque Deus enviou um anjo para fechar a boca dos leões.

No dia seguinte, bem de manhã, o rei foi com pressa à cova dos leões. Chegando lá, ele chamou por Daniel com voz triste. Quando soube que o profeta estava vivo, imediatamente mandou tirá-lo da cova. Depois, ordenou que todos aqueles homens que tinham acusado Daniel fossem lançados, juntamente com suas famílias, na cova dos leões. O texto bíblico informa que antes mesmo que tivessem chegado ao fundo da cova, os leões já tinham atacado todos eles (Daniel 6:24).

Quantas vezes Daniel foi lançado na cova dos leões?
A Bíblia afirma que Daniel foi lançado na cova dos leões apenas uma vez, permanecendo nela durante uma noite inteira. No entanto, existe um texto que conta a história de uma segunda suposta condenação de Daniel à cova dos leões.

Esse texto foi considerado como não inspirado, mas aparece incluso na Septuaginta. Esse texto foi escrito entre 200 e 100 a.C., e não pertence ao livro canônico original de Daniel. Segundo ele, Daniel foi lançado na cova dos leões após o povo pressionar o rei. Supostamente ele permaneceu ali por seis dias.

Durante esse período, ele teria recebido, inclusive, a visita de Habacuque. O profeta havia sido transportado miraculosamente até a cova para alimentar Daniel. De acordo com o texto, Daniel teria sido libertado da cova dos leões no sétimo dia. No final, seus acusadores também foram lançados em seu lugar.

Esse relato pertence ao que parece ser um conjunto de histórias exageradamente lendárias. Essas histórias talvez foram atribuídas por alguma tradição oral, à história de Daniel na Babilônia. Nem os judeus e nem a Igreja Reformada consideraram essa adição como parte inspirada do cânon do Antigo Testamento.

O que aprendemos com Daniel na cova dos leões?
Certamente o episódio de Daniel na cova dos leões nos ensina sobre a soberania de Deus. Essa história mostra a forma com que Ele governa todas as coisas nos mínimos detalhes. Nada foge do controle do Deus de Israel, Ele é o Senhor da História.

Nosso Deus possui poder absoluto sobre tudo e todos. Ele controla não só a natureza, mas os reinos e os reis e todo Universo. Aquele que abriu o mar para o povo de Israel passar é o mesmo que fez com que as muralhas de Jericó ruíssem, preservou o profeta Jonas no ventre de um grande peixe, livrou três de seus servos da morte em uma fornalha de fogo e fechou a boca dos leões naquela cova.

Tamanha demonstração de poder fez com que até mesmo aquele rei pagão reconhecesse de forma oficial a grandeza de Deus. Ele fez um decreto dizendo que o Deus de Daniel é o Deus vivo e eterno, cujo reino é indestrutível, e seu domínio inextinguível. O rei declarou que Deus livra, salva e faz sinais e maravilhas no céu e na terra. Foi Ele quem livrou Daniel do poder dos leões (Daniel 6:27).

Além disso, também aprendemos com Daniel a sermos corajosos nas situações mais extremas. Somos encorajados a não negar ao Senhor mesmo que nossa própria vida dependa disso. Mesmo com o decreto acerca da cova dos leões vigente, Daniel não tentou se esconder. Ao contrário disso, ele ficou em seu próprio lugar, e fez o mesmo que de costume já fazia. Ele orou a Deus e rendeu-lhe graças!

Para Daniel, a cova dos leões era um ambiente muito mais agradável do que o conforto de um palácio sem poder orar a Deus. Daniel colocou a honra de Deus acima de seu próprio bem-estar. Ele colocou sua vida espiritual acima de sua vida terrena. Diante da riqueza de sua comunhão com Deus, do tesouro de poder confiar no Criador dos céus e da terra, a cova dos leões era um preço muito pequeno a se pagar.

O resultado da cova
Daniel foi libertado da cova dos leões, mas muitos outros homens justos e tementes a Deus não escaparam do sofrimento de uma condenação cruel. Abel foi morto por seu próprio irmão, a tradição afirma que o profeta Isaías foi serrado ao meio. Estêvão foi apedrejado, o apóstolo Pedro foi crucificado de cabeça para baixo e Paulo de Tarso foi decapitado.

Isso significa que se Deus prover o livramento fechando a boca dos leões, Ele é o Deus Todo-Poderoso. Mas se Ele permitir que um de seus servos seja devorado por leões, Ele continua sendo Deus. Muitos cristãos do primeiro século foram lançados aos leões, mas também não negaram sua fé. Eles sabiam que Deus é Onipotente pelo século dos séculos. Aqui cabe a declaração de Jó: “Ainda que ele me mate, nele esperarei” (Jó 13:15).

Daniel que foi livrado da cova dos leões. Outros morreram nela por não negarem ao Senhor. No final, todos eles  são recepcionados pelo mesmo Deus, e amparados em seus braços para todo o sempre. Os que são libertados da cova dos leões e os que morrem nela sendo fieis a Deus, recebem a mesma promessa: “O vencedor herdará tudo isto, e eu serei seu Deus e ele será meu filho” (Apocalipse 21:7).

————————-

Autor: Daniel Conegero

Fonte: https://estiloadoracao.com/quem-foi-daniel-na-biblia/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
8 − 3 =