Depois do inverno, vem a primavera

É preciso ter esperança diante das fases difíceis do casamento.

“É desencorajador” – disse Marc, sobre seus 24 anos de casamento. – “Discordamos de tudo. Somos ambos inflexíveis, o que criou conflitos e frieza em nosso relacionamento”. A esposa Marsha diz: “Ao longo dos anos, ambos acumulamos ressentimentos. Há mais investimento da minha parte do que da parte dele. Ele é tão crítico. Dificilmente passamos algum tempo juntos e raramente nos tocamos ou trocamos elogios”.

Enquanto muitas pessoas gostam e sonham em ver neve no inverno, nenhum casal gosta do inverno do casamento. Casamentos no inverno, como o de Marc e Marsha, são caracterizados pela frieza, dureza e amargura. Os sonhos da primavera estão cobertos com camadas de gelo e a previsão do tempo alerta para mais chuvas congelantes.

O que leva um casal ao inverno? Em uma palavra: rigidez – a falta de vontade de considerar a perspectiva da outra pessoa e trabalhar em direção a uma solução significativa. Todos os casais enfrentam dificuldades e têm diferenças. Casais que fracassam em negociar essas diferenças tornam seus casamentos frios. Quando um ou ambos insistem que “deve ser do meu jeito ou de jeito nenhum”, eles entram no inverno.

No inverno, atitudes se tornam negativas. Sarah e Will estão casados há 19 anos. Ela me disse: “Tentei trabalhar em nosso casamento, mas aparentemente ele interpretou tudo que sugeri como algo incômodo.

Nada funcionou. Então eu me desliguei. Não ligo para suas necessidades, a esta altura da situação. Estou esperando que ele faça algum esforço e coloque um pouco de energia em nosso casamento”.

“Sinto que nunca conseguiremos. O casamento sempre fica pior. Brigamos 24 horas por dia, sete dias por semana. Não podemos continuar assim, mas não sei o que fazer” – disse Will. No inverno percebemos os problemas como se fossem muito grandes e os nossos posicionamentos como se estivessem profundamente enraizados. Pensamos que a discórdia nunca será resolvida. Culpamos nosso cônjuge pelo declínio da relação.

Derretendo o gelo no inverno – A maioria dos casais passa pelo inverno de tempos em tempos. Pode durar um mês ou trinta anos. Pode começar três meses após o casamento ou chegar apenas após as bodas de prata. Se o seu casamento está no inverno, você pode não enxergar esperança. Mas não desista. Assim como muitas pessoas não se deitam na neve e esperam a morte chegar, não há razão para aceitar passivamente a frieza de um casamento no inverno. Existe um caminho e ele começa com uma mudança de atitude.

O inverno do casamento geralmente torna os casais desesperados o suficiente para sair de seu sofrimento silencioso e buscar a ajuda de um conselheiro, um pastor ou um amigo de confiança. Quem procura ajuda a encontra.

Derreter o gelo de um casamento no inverno requer a coragem de admitir suas próprias falhas no passado, primeiro para Deus e depois para seu cônjuge. Desculpar-se e pedir perdão é o primeiro passo.

O segundo passo é optar por uma atitude positiva. Peça a Deus que o ajude a olhar o potencial do seu casamento e não o que há de pior. Ao invés de crer que sua situação está perdida, creia no poder de Deus para transformá-lo e tocar também o coração de seu cônjuge. Você começará a sair do inverno quando pedir a Ele que seja um agente para auxiliar seu cônjuge a se tornar tudo o que Deus deseja que ele (ou ela) se torne.

O terceiro passo é falar a linguagem do amor de seu cônjuge. Descubra o que faz com que seu cônjuge se sinta amado (sua maior pista seria o tema das reclamações dele [ou dela] ao longo dos anos). Peça a Deus que o ajude a amar seu cônjuge. A Bíblia diz: “O amor cobre multidão de pecados” (1 Pedro 4.8).

O quarto passo diz respeito a valorizar as diferenças. Elas nunca foram destinadas a ser divisões. Peça a Deus que lhe mostre como suas diferenças podem ser qualidades em seu relacionamento. Quando isso acontecer, saberá que a primavera está próxima.

Caminhar no inverno pode não ser “divertido” ou “encorajador”, como andar de esqui ou escorregar pela neve das montanhas. Mas quando casais perseveram e dão passos positivos para melhorar seus casamentos, emergem mais fortes, mais comprometidos e mais aptos para trabalhar suas diferenças.

Ao oferecer a paz, mesmo no meio da dor e da alienação, inúmeros casais descobriram a cura profunda e uma intimidade mais profunda ainda. Quando duas pessoas escolhem se amar novamente, o gelo é derretido no inverno do casamento e a água regará as sementes da primavera.

Gary Chapman, Ph.D., é casado há mais de 45 anos com Karolyn. “Doctor Love” (ou Doutor Amor, como é conhecido nos EUA) já escreveu mais de 15 livros, sendo a grande maioria sobre relacionamento afetivo, o que faz de Chapman um dos maiores autores do mundo no gênero. Seu livro mais conhecido é As cinco linguagens do amor.

Fonte: Cristianismo Hoje

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido.