O segredo de louvar

Querer aprender o segredo da oração que transporta monte? Oração que transforma as coisas? Oração que se põe em contato com os infinitos recursos do Deus Onipotente? Que ao invisível torna visível? Que fará liberar o poder do céu em beneficio da humanidade? Bem, podes aprender o segredo dela, porém quem o faz deve primeiro estar disposto a seguir as suas regras.

OS DISCÍPULOS PEDIRAM:  “SENHOR, ENSINA-NOS A ORAR”

Em narrativa de Lucas acerca da oração dominical (Luc. 11: 1-4) pediram os discípulos a Jesus: “Senhor, ensina-nos a orar.” Havia uma razão para esse pedido. Tinham sido eles testemunhas do estupendo ministério sem par de Jesus. Viram-no curar enfermos. Viram-no purificar o leproso com o toque de Sua mão. Testemunharam o Seu Poder de curar cegos e surdos. Observaram que até mesmo os elementos respondiam ao seu mandar. A sua voz aquietavam-se os ventos e as ondas do mar revolto se acalmavam. Como podia Ele realizar essas coisas? Qual o segredo de tão grande poder? A princípio tudo lhes parecia mistério, mas gradualmente foram conhecendo o segredo.  Jesus possuía esse poder porque sabia orar! Ao continuarem os discípulos dia a dia na companhia do Senhor, nasceu-lhes no coração o desejo ardente de aprender a orar.

Um dia ousaram pedir a Jesus que lhos ensinasse. Não hesitou o Mestre em atender-lhes o pedido. Não era alguém que jamais guardasse só para Si os Seus segredos. Os homens muitas vezes tem tentado monopolizar o poder, porém Cristo não.  Ele veio ao mundo para ensinar outros a fazer o que Ele fazia. Queria que os Seus discípulos aprendessem a realizar obras ainda maiores. (Jo. 14:12) Ensinar-lhes-ia a orar. E começou dizendo-lhes que desta maneira deveriam fazê-lo: “Pai nosso que estas no céu, santificado seja o Teu nome.” Ao terminar Sua oração paradigma, concluiu-a com estas palavras: “Pois teu é o reino, e o poder e a glória para sempre. Amém.” Nestas sentenças revelou Cristo o segundo grande segredo de orar. A prece que alcance a Deus, começa e finda com adoração!

ORAR COMEÇA COM ADORAR

Nosso Deus é grande e bondoso. Tudo quanto somos ou viermos a ser, devemos exclusivamente a Ele, o “doador de todo o bem e de toda a dádiva perfeita”. Portanto, como criaturas para com seu Criador, devemos a Deus a nossa sincera adoração e louvor.
O primeiro elemento da prece e, pois, adoração.

É aqui justamente onde muitos erram.  Encaram a oração a maior parte das vezes, como simples meio de obter socorro numa emergência. Este é, sem dúvida, um dos propósitos de orar, porém muito longe esta de ser único. Deus removera montes, fará parar, se preciso, o sol e a lua nas suas orbitas, mas requer também alguma coisa da oração. Que poderia exigir? Ele, o  eterno, o Todo-Suficiente, que teríamos nós porventura para oferecer Aquele que rege os mundos?

Existe, na verdade, alguma coisa que podemos dar a Deus, algo que Ele busca e assaz deseja: Nossa adoração consagrada. Visto que a criatura tudo deve a Ele, e pois justo e digno que o adore.

Os homens devem  louvá-lo todos os dias de sua vida. E o que declara o último versículo do Salmo 150: E tudo quanto tem folego, louve ao Senhor.” Fizemos menção, no primeiro capítulo, da narrativa da mulher samaritana junto ao poço de Jacó. Ela suscitara a pergunta sabre qual o melhor lugar para o ato de adorar. E aquela pobre alma não esclarecida Jesus propiciou uma das suas maiores revelações, dizendo: “Mas vem a hora, e já chegou, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. Porque são estes que o Pai procura para seus adoradores.” Cristo assim revelou que uma coisa Deus busca da raça humana  algo que lhe pode ser dado se os homens o quiserem – o adorar em espírito e em verdade.

Quando Jesus esteve na terra, grande parte das pessoas religiosas da época haviam transformado a oração em mera fórmula. Uma seita afirmava que somente em Jerusalém deviam os homens adorar a Deus. Outra dizia que o lugar apropriado era o Monte Gerizin, em Samaria. Jesus, porem, revelou que nem Jerusalém, nem qualquer monte em particular, tinha qualquer coisa que ver com lugar onde orar. Deus e espírito. E onipresente. Portanto deseja que todos o adorem onde quer que estejam. Ele busca os que assim o adoram. Satanás também disputa a adoração dos homens. Quando o diabo tentou a Cristo, prometeu-lhe os reinos da terra e a gloria deles se Ele prostrado o adorasse. (Mat. 4:9) Jesus repeliu com veemência o oferecimento de Satanás retrucando-lhe que só a Deus está reservado render adoração.

Notai como Cristo, ao orar, rendia graças e louvores a Deus. Sua primeira oração registrada foi: “Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos meninos.” (Mat. 11: 25) Antes de Cristo levantar Lázaro do tumulo rendeu graças a Deus por telo já ouvido. Quando as criancinhas o louvaram, ao fazer Sua entrada triunfal em Jerusalém, ao invés de as repreender com forme lhes fora solicitado, respondeu: “Sim, nunca lestes: Da boca dos pequeninos e crianças de peito tiraste perfeito louvor?” (Mat. 21: 16)

O  importante na arte de orar e o segredo do louvor e das ações de graças. Ingressar na presença de Deus com louvor. Apresentai as vossas petições a Deus com ações de graças. Louvai-o pelo que Ele já tem feito. Os poderes do céu e da terra, o poder de remover montanhas, estão  ao alcance daqueles que aprenderam o segredo de louvar. Começai hoje mesmo a formar o habito de oferecer-lhe o sacrifício de louvor continuo. (Heb. 13:15)

fonte: www.adorar.net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
16 − 10 =