Pacto dos Discípulos

(Nota: adapte a sua realidade, conforme a visão de sua igreja)

A fim de serem um em resposta à oração de Jesus em João 17

1 – O Pacto da Afirmação da Graça (amor incondicional, amor ágape)

Cl 3.4-15 – Eu escolho amá-los, edificá-los e aceitá-los, meus irmãos e irmãs, não importa o que digam ou façam. Eu escolho amá-los do jeito que vocês são. Nada do que fizeram ou farão vai me impedir de amá-los. Posso não concordar com suas ações, mas vou amá-los como pessoas e fazer tudo para sustentá-los na certeza do amor de Deus (1 Jo 3.16).

2 – O Pacto da Honestidade

Ef 4.25-32 – Eu não vou esconder como me sinto a respeito de vocês, bem ou mal, mas vou procurar, no tempo do Espírito, conversar franca e diretamente com vocês, de modo amoroso e perdoador, para que vocês não fiquem desestruturados quando estiverem em dificuldades. Vou tentar refletir para vocês aquilo que estou ouvindo e sentindo a respeito de vocês. Se isso significa arriscar-me a sofrer, sabendo que ao falar a verdade em amor é que crescemos em tudo em Cristo que é o cabeça (Ef 4.15), então eu aceito correr o risco. Vou expressar esta honestidade de maneira sincera e controlada de acordo com o Espírito Santo. (“Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto. Leais são as feridas feitas pelo que ama…”-Pv 27.5,6)

3 – O Pacto da Transparência

1 Jo 1.5-7; Rm 7.15-25 – Prometo me empenhar para me tornar uma pessoa aberta, abrindo meus sentimentos, minhas lutas, minhas alegrias e minhas dores para vocês da melhor maneira possível. A intensidade com que vou fazer isso tem como implicação o fato de que não vou conseguir nada sem vocês. Digo isto para afirmar o valor de vocês para mim como pessoa. Em outras palavras, eu preciso de vocês!!!

4 – O Pacto da Oração

2 Ts 1.11,12 – Eu faço um pacto de orar por vocês regularmente, crendo que nosso amado Pai deseja que oremos uns pelos outros e peçamos pelas bênçãos de que todos precisamos. Não serei um ouvinte passivo, mas sim escolho ser um participante espiritual, desejoso de entrar na situação de vocês e auxiliá-los a levar os seus fardos em oração.

5 – O Pacto da Sensibilidade

Rm 12.9-16; 1 Pe 1.22 – Assim como desejo ser conhecido e compreendido por vocês, faço o pacto de ser sensível a vocês e às suas necessidades. Vou ouvi-los e sentir o que se passa com vocês, e procurar tirar vocês do desânimo e isolamento. Vou evitar seriamente dar respostas simplistas para as situações difíceis nas quais vocês se encontram.

6 – O Pacto da Disponibilidade

At 2.44-47 – Aqui estou se precisarem de mim. Tudo o que tenho (tempo, energia, entendimento e bens) está à disposição de vocês, se precisarem. A prioridade é a necessidade do meu irmão.

7 – O Pacto da Confidencialidade

Pv 10.19; Pv 11.13; Pv 15.4 – Prometo manter em segredo tudo o que for compartilhado dentro do grupo de modo a proporcionar uma atmosfera de confiança, necessária à transparência. Entendo, no entanto, que esta confidencialidade não proíbe o meu discipulador de compartilhar informações adequadas ao presbitério. Entendo que os discipuladores trabalham sob supervisão pastoral do presbitério, e lhes foi delegada autoridade para o cuidado dos irmãos. Como resultado, devem prestar contas ao presbitério dos discípulos que cuidam, para serem ajudados, pois as vidas pertencem ao Senhor Jesus (Hb 13.17).

8 – O Pacto da Prestação de Contas

Ez 3.16-21; Mt 18.12-20 – Faço o pacto de estudar os materiais de treinamento dos quais a igreja na casa se utiliza para o crescimento e treinamento dos discípulos. Dou a vocês o direito de me questionar, confrontar e desafiar em amor, quando estiver falhando em algum aspecto de minha vida com Deus, família, devocional, crescimento espiritual em geral ou algo semelhante. Confio que vocês estejam no Espírito e que sejam guiados por Ele quando assim o fizerem. Preciso da sua correção e repreensão de modo a aperfeiçoar meu ministério dado por Deus no meio de vocês. Faço o pacto de receber a repreensão e correção, e que a minha reação será no Senhor (Pv 12.1,15).

9 – O Pacto da Assiduidade e Pontualidade

Lc 9.57-62 – Considero o tempo normal que a igreja na casa investe semanalmente como um tempo sob a mão discipuladora de Cristo em nosso meio. Não entristecerei o Espírito Santo nem impedirei o seu trabalho nas vidas dos meus irmãos(ãs) pela minha ausência, exceto em caso de emergência. Somente com a permissão dele, em oração, vou considerar a ausência uma possibilidade. Se estiver impossibilitado de comparecer por qualquer razão, por consideração, vou telefonar para o meu discipulador, para que todos os discípulos do grupo saibam por que estou ausente, para que possam orar por mim e não tenham maiores preocupações comigo.

10 – O Pacto de Alcançar Outros

Mt 28.18-20; Jo 15.1-8, 16; Ef 4.11-16 – Faço o pacto de encontrar meios de me sacrificar por aqueles que se encontram fora de nossa comunhão, da mesma forma que fiz a aliança de me sacrificar por vocês, meus irmãos e irmãs. Vou dar o máximo de atenção no meu ministério para as pessoas incrédulas como também para irmãos sem vínculo entre nós. Quero fazê-lo em nome de Jesus para que outras pessoas sejam acrescentadas ao Reino de Deus pelo amor dele.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
20 ⁄ 5 =