Sinópse histórica

1º/01/1484 – Zuínglio nasceu na vila de Toggenburg, em Wildaus, no cantão suíço de St. Gall, no alto dos Alpes. Membro de uma família de classe média alta; seu pai era fazendeiro e juiz da cidade. Concluiu seus estudos escolares em Basel e Berna, estudando também na Universidade de Viena4. Transferiu-se para Viena em 1502.

1504 – Forma-se Bacharel em Artes pela Universidade de Basiléia.

1506 – Conclui o mestrado na Universidade de Basiléia e torna-se pároco em Glarus.

1515 – Testemunha a derrota  dos  suíços  na  Batalha  dos  Gigantes  em Marignano.

Escreve  uma  sátira  da  guerra  de  mercenários, O  Labirinto,  conclamando  ao  amor  e fraternidade cristãos e ao fim da violência. Conhece Erasmo de Rotherdã, o humanista holandês.

1516 – Divergindo das inclinações  francesas  de  Glarus, muda-se  para  Einsiedeln  (um centro de peregrinação católica); tem um caso com a filha do barbeiro local. Nesse ano e no seguinte, lê a tradução do Novo Testamento feita por Erasmo (Novum Instrumentum) publicada em 1515; a partir de então, tornou-se um expositor bíblico. Ele escreveu: Dirigido pela palavra e pelo Espírito de Deus, vi a necessidade de deixar de lado todos esses [ensinamentos humanos] e aprender a doutrina de Deus diretamente de sua própria Palavra.

1518 – É nomeado “sacerdote do povo” da Catedral de Zurique. Sobre o portal dessa igreja pode-se ler a seguinte frase: “A reforma de Ulrich Zuínglio começou aqui, em 1º de janeiro de 1519”.

1519 – Começa a pregar uma série de sermões sobre o Novo Testamento (na ordem; Mateus, Atos, Timóteo, Gálatas, 1 e 2 Pedro até terminar todo o Novo Testamento em 1525),  assinalando  uma  nova  era  da  pregação  bíblica.  Ministra  às  vítimas  da  peste bubônica em Zurique, ficando ele mesmo enfermo por três meses. A peste, associada a idéias luteranas, levaram-no a uma experiência de conversão. Leva Zurique a retirar-se da  aliança  com  a  França  católica.  Os  mercenários  de  Zurique  são  proibidos  de  se venderem à França. Sua primeira bandeira reformada foi a declaração de que os dízimos pagos  a  Roma  pelos  fiéis  não  eram  obrigações  divinas,  mas  uma  questão  de voluntariedade.

1522    –  Vai  a  uma  festa  do  impressor  Chritopher  Froschauer  em  que  as  normas  da quaresma são violadas; escreve        A Liberdade de Escolha dos Alimentos, opondo-se ao jejum  da  Quaresma.  Casa-se  secretamente  com  a  viúva  Ana  Reinhart.  Assina  um memorial  com  dez  outros  sacerdotes  pedindo  que  o  bispo  de  Constança  sancione casamentos  clericais.  Princípio;  Tudo  deve  ser  julgado  pelas  Escrituras.  Forma  um círculo  de  jovens  religiosos  e  humanistas  –  Grebel,  Mantz,  Reublin,  Brotli,  Stumpf.

Escreve Apologeticus Archeteles (“minha primeira e última defesa”), seu testemunho de fé. Renuncia  ao  cargo  de  “sacerdote  do  povo”,  sendo  contratado  pelo  Conselho Municipal como pastor evangélico no mesmo posto. O termo “reformado” aparece com Zuínglio,  e  posteriormente  com  Calvino.  Início  dos  conflitos  com  os  anabatistas, liderados por Grebel.

1523  –  Sob  os  auspícios  do  Conselho  de  Zurique,  convida  a  Europa  cristã  para  um debate público (a Primeira Disputa de Zurique) de 67 teses (os Sessenta e Sete Artigos), em 29/01/1523; onde propõe:

A supremacia de Cristo na Igreja.

Salvação somente pela graça.

Autoridade das Escrituras.

Sacerdócio dos fiéis.

O direito dos sacerdotes ao casamento.

Ataque ao primado do Papa e à missa.

É autorizado  pelo  Conselho  Municipal  a  continuar  pregando  o  Evangelho.  Zurique tornou-se  o primeiro estado protestante por iniciativa magisterial.

Após o debate:

As taxas de batismo e sepultamento foram abolidas.

Monges e freiras receberam permissão para se casarem.

O uso de imagens e relíquias foi proibido.

Escreve Da Justiça Divina e Humana para defender a recusa do Conselho em modificar a legislação sobre o dízimo. Realiza um segundo debate público sobre as imagens e a missa.  Recomenda que o Conselho autorize a remoção das  imagens.  O movimento difunde-se na Suíça de fala alemã e no sul da Alemanha.

1524 – Casa-se publicamente com a sua esposa.

1525 – Disputa  pública  sobre  o  batismo  infantil  traça  a  linha  de  batalha  para  ex-seguidores como Grebel. Zuínglio escreve dois panfletos contra os anabatistas: Sobre o Batismo e Sobre o Ofício da Pregação. Institui a Ceia do Senhor na Páscoa, depois que o Conselho ordena a suspensão das missas. Também escreveu nesse ano Da Religião Verdadeira e Falsa; considerada por alguns como “a primeira obra dogmática (teologia sistemática) reformada”10. A reforma zuingliana se completa com a supressão definitiva da missa em Zurique. Acontece o rompimento definitivo com os anabatistas radicais.

1526 – Em março, convence o Conselho a promulgar um edito autorizando a execução de anabatistas. Após a assembléia suíço-católica em Baden, decide que a unidade suíça deve ser mantida mesmo com o uso da força.

1527  –  É  formado  o  primeiro  sínodo  de  igrejas  evangélicas  suíças.  Felix  Manz  é executado por afogamento por causa de suas convicções anabatistas.

1528 – Aceita o convite de Baden para um debate público, que resulta na eliminação da missa, das imagens e dos altares naquela cidade. Berna aceita princípios zuinglianos de reforma.

1529 – Acompanha  as  tropas  suíças  de  Zurique  na  Primeira  Guerra  de  Kappel.  Em outubro,  encontra-se  com  Lutero  em  Marburg  para  quatro  dias  de  discussões convocadas pelo landgrave Filipe de Hesse. O desacordo entre Lutero e Zuínglio quanto a  presença  de  Cristo  nos  elementos  da  ceia  ocasionou  a  ruptura  entre  os  dois movimentos  de  reforma  alemã.  Ecolampádio,  amigo  íntimo  de  Zuínglio,  inicia  a reforma de Basiléia.

1530 – Escreve Explicação da Religião de Zuínglio.

1531 – Escreve Da Providência de Deus e Exposição Breve e Clara da Fé  Cristã.

Buscando o apoio dos franceses para a reforma, permite a contratação de mercenários suíços. Evergando sua armadura, une-se às tropas no dia 11 de outubro e é morto em combate. É sucedido por Henrique Bullinger (1504-1575).

Conclusão:

O que podemos aprender com Zuínglio?

Um aluno brilhante, com talento especial para a música.

Profunda erudição  e  dedicação  no  trabalho  pastoral.  Isso  lhe  deu  posição de destaque  na  Suíça  de  fala  alemã.  Bullinger  diz  em  sua  biografia  que  ele  havia decorado todas as epístolas de Paulo em grego e que as havia copiado palavra por palavra.

Exposição sistemática das Escrituras nos cultos públicos.

Segundo Gerald Giving, sua principal característica era “firmeza de vontade”. Cairns resume o caráter de Zuínglio como “erudito, democrático e sincero”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha loading...