Já calculaste o custo?

“Pois, que aproveitará o homem se ganhar o inundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca da sua alma? Porque o Filho do homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e então retribuirá a cada um conforme as suas obras” (Mateus 16:26,27).

Alguma vez já procuraste honesta, séria e sobriamente determinar o valor de tua própria alma? Alguma vez já consideraste seu valor real, à luz de uma existência eterna, quer no glorioso Céu quer no horrendo inferno? Quanto vale uma alma, exatamente?

Há poucos anos, testemunhei as inúteis tentativas de liber­tar a linda e loura menina Kathy Fiscus, de três anos de idade, que caíra num poço abandonado, com 29 metros de profundi­dade, em San Marino, Califórnia. Dentro de 45 minutos, depois que se soube o que lhe acontecera, bombeiros voluntários esta­vam bombeando ar à mão para dentro do poço estreito, e assim continuaram a fazer, incessantemente, por quase 50 horas. Escavadores, sapadores, mineiros de rocha dura, engenheiros e muitos outros arriscaram suas vidas e trabalharam sem des­cansar a ponto de, em alguns momentos, alguns deles terem caído de pura exaustão e fadiga. De acordo com certo jornal de Long Beach, Califórnia, foram empregadas maquinaria, fer­ramentas, equipamento e material que teria custado mais de quatrocentos milhões de cruzeiros, se o salvamento tivesse sido efetuado numa base comercial.

O mundo inteiro ficou tão abalado e excitado que quase não podia esperar por notícias. Os principais jornais do Brasil, da Suécia, da Inglaterra, da Austrália e de outros pontos principais à volta do globo atrasavam suas edições para esperar notícias de última hora, sobre a pequena Kathy! Os postos de chamada e escuta, nos escritórios de agências noticiosas e nas estações de rádio do inundo inteiro eram um zumbir constante de chamados, desde o momento em que sua sorte foi conhecida pela primeira vez. Em Chicago, a notícia provocou o maior volume de chamadas telefônicas aos jornais da cidade, desde o fim da Segunda Guerra Mundial. O Dallas News disse que teve um “milhão” de chamados. O Salt Lake City Tríbune, o Minneapolis Tribune, o Pittsburgh Post-Gazette, e o Philadelphia Inquirer alinharam-se entre os principais jornais, em toda a nação norte-americana a dar notícias sobre incidentes incomuns e chamadas múltiplas.

Conselhos vinham de toda parte! Sugestões eram dadas numa gama que ia desde o telegrama do Chefe de Bombeiros de Chicago, Anthony J. Mullanney: “Tentem de tudo. Nada é por demais tolo ou impossível com a vida dessa menina em perigo”, até uma mensagem de uma menina de seis anos, de Portland, Oregon: “Se Kathy pudesse ler, eu lhe mandaria meu livro mágico e ela sairia imediatamente”. Aos passantes era pedido que contribuíssem com alguma idéia, “Sem importar quão tola pudesse parecer”. Anões, homens bem magros, contorcionistas, bombeiros, sapadores, jóqueis e muitos outros às centenas, se apresentaram como voluntários para tentar descer no cano de 35 cm de boca em que ela estava aprisionada.

Dez mil pessoas achavam-se na cena, observando, e cente­nas de milhares mais recusavam-se a abandonar seus aparelhos de rádio e de televisão. Esse movimento desusado de interesse humano se tornou a cena da primeira projeção ininterrupta televisionada de vinte e quatro horas, na história do mundo. Sabe-se que em torno de um automóvel dotado de rádio, mais de 500 pessoas estiveram certa ocasião ouvindo as notícias rece­bidas sobre a tentativa de salvamento. Um boletim radiofônico pela KNX afirmou que os teatros de Los Angeles apresentaram o seu menor movimento em anos, visto que as pessoas permaneciam em suas casas, ao lado de seus aparelhos de rádio e televisão, para obter a última palavra sobre o rumo dos acon­tecimentos. As igrejas, por toda aquela região, ficaram virtualmente desertas naquele domingo à noite. Um fundo de salvamento foi iniciado para ajudar os trabalhadores que final­mente totalizou 67 milhões de cruzeiros, e que foi compartilhado por cento e trinta e dois homens.

No entanto, apesar dos heróicos esforços de trabalhadores incansáveis, às 8:58 da noite de domingo, depois de mais de 50 horas de labor contínuo, o Dr. Paul Hanson anunciou ao mundo em expectativa que Kathy Fiscus estava morta, e que já estava morta desde antes da tentativa de salvamento ter tido inicio.

Pensa só nisso, caro leitor, todo aquele tempo, todo aquele esforço, e toda aquela soma em dinheiro gasta por uma pequena vida que passara diretamente para os braços de Jesus, no instante mesmo em que o minúsculo coração cessou de bater. Por favor, não me entendas mal; não estou lamentando o gasto de um só cruzeiro ou qualquer momento de tempo gasto na tentativa de salvamento — se tivesse sido uma das minhas filhinhas, em lugar de Kathy, eu também não me teria contentado com menos — porém, quero impressionar-te com o pensamento que se uma vida vale tanto, quanto maior não deve ser o valor de uma alma! Tua alma, segundo Jesus ensinou, vale mais que o mundo e tudo quanto nele existe!

Em toda transação desta vida, a questão mais importante é: “Quanto custará?” Isso é verdade quando o agente de imó­veis te mostra uma casa à venda, quando o vendedor te mostra um automóvel, quando o balconista te traz um terno ou um vestido que te agrada. Aqueles, que têm rejeitado o Salvador, deveriam perguntar a si mesmos: “Qual será o custo disso”? E então resolverem descobrir a verdadeira resposta bíblica para essa pergunta.

O Senhor Jesus Cristo, em nosso texto, estava procurando impressionar os corações dos homens com a verdade que custa mais ser perdido do que ser salvo. Nos dois versículos ante­riores Ele tinha descrito o preço do discipulado com as seguintes palavras: “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Porquanto, quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa, achá-la-á”. Sim, o discipulado total, o seguir a Jesus Cristo sem reservas, custa alguma coisa! Contudo, eu não gostaria que minha experiência fosse diferente; gostarias que a tua fosse diferente? Não sentes a mesma coisa, que Davi expressou em II Samuel 24:24: “… não oferecerei ao Senhor meu Deus holocaustos que não me custem nada?” Nosso Senhor não descreveu o discipulado como um mar de rosas. Mas, antes, declarou em João 15:18-20: “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim. Se vós fósseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário dele vos escolhi, por isso o mundo vos odeia. Lembrai-vos da pa­lavra que eu vos disse: Não é o servo maior do que seu senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa.”

Paulo deixou subentendida a mesma idéia, quando disse: “Participa dos meus sofrimentos, como bom soldado de Cristo Jesus. Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque o seu objetivo é satisfazer àquele que o arregimentou” (II Timóteo 2:3,4).

Sim, o verdadeiro discipulado custa alguma coisa! Porém, nosso gracioso Senhor queria impressionar Seus ouvintes com a verdade seguinte: “Custa mais ainda estar perdido!” Provérbios 13:15 continua sendo o dito tanto da experiência como da revelação: “A boa inteligência consegue favor, mas o ca­minho dos pérfidos é intransitável”.

A mais terrível transgressão, o pecado mais grave de todos, é o de rejeitar a salvação de Deus, conforme explicada na Sua Palavra. Nenhuma outra coisa, quer assassínio, violência sexual, furto, profanação, adultério, ou qualquer outro pecado, é tão grave, quando pesado nas divinas balanças da Glória, como esse. Para provar essa acusação contra a humanidade, conside­remos novamente

I. O Crime Condenador

As Escrituras dizem: “Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado…” (João 3:18). O pecador que rejeita a Cristo está condenado por lutar contra Deus, por crucificar a Cristo e por zombar do Espírito Santo.

A. O Pecado de Lutar contra o Pai

A Bíblia chama esse crime de lutar contra o Pai! Tiago 4:4 declara: “Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo, constitui-se inimigo de Deus”. Em outras palavras, se não és por Ele, então és contra Ele! Não há terreno neutro, não há como ficar entre os dois campos opostos. A indiferença já é um desafio! Oh, que todo aquele que vagueia extraviado pudesse perceber e ver que a amizade com o mundo, a busca dos prazeres, o desprezar o caminho bíblico, não passa de uma guerra contra o Deus Todo-Poderoso!

O segundo capítulo da epístola aos Efésios emprega termos tais como “inimizade”, “muro de separação”, “longe”, “estrangeiros”, “alienados”, para descrever a condição do ho­mem perdido. Uma das mentiras mais infernais é que todos os homens têm uma “fagulha do divino” em seu seio, que precisa ser apenas “abanada para transformar-se numa chama”. O mesmo segundo capítulo de Efésios descreve os indivíduos perdidos como “filhos da desobediência” e “filhos da ira”, os quais moldam suas vidas segundo os impulsos do diabo!

Esse ato de combater contra o Pai não é necessariamente um programa bolchevista que procura destroná-Lo. Pode ser percebido em coisas como buscar as riquezas do mundo, o pra­zer, a fama, o sucesso, a honra e outras baboseiras que o mundo tem para oferecer, e que levam o homem a esquecer-se de Deus. Pensa só nisso: esquecer-se de Deus!

B. É o Crime de Crucificar a Cristo

Isso, porém, ainda não é tudo! Este crime que condena é também aquele que crucifica a Cristo! Hebreus 6:6 falando sobre o pecador plenamente iluminado que rejeita a Cristo e volta para seu pecado, diz: “… de novo estão crucificando para si mesmos o Filho de Deus, e expondo-o à ignomínia”. Quando os homens rejeitam a Cristo não O estão crucificando literal­mente outra vez — pois isso foi feito “… uma vez por to­das…” (Hebreus 10:10,12,14); porém, estão como que a dizer que aprovam o que foi feito a Ele, e indicam que teriam feito a mesma coisa se tivessem tido oportunidade para isso.  Tua rejeição à salvação oferecida por Deus é uma manifestação pública de que preferes matar a Cristo a coroá-Lo!

A culpa de “matar a Cristo” é maior que a de Pilatos! Lembra-te de como ele lavou suas mãos numa bacia com água e buscou fugir da responsabilidade da morte de Cristo. Ele falhou! Nos livros do Céu, esse crime foi lançado na sua conta. Semelhantemente, os homens de hoje em dia tentam escapar da responsabilidade, mas, à semelhança de Pilatos, também falham nisto, aos olhos de Deus.

A culpa de “matar a Cristo” é maior que a culpa de Judas. Como o mundo de hoje olha para ele com zombaria, vergonha e desprezo! Até os próprios judeus, que lhe pagaram o suborno, não tiveram respeito por um homem que se rebaixou a tanto. No entanto, aos olhos de Deus, se estás rejeitando a Jesus Cristo, como teu Salvador pessoal, és tão culpado quanto ele! Sua culpa é a tua culpa! Sim, a culpa de “matar a Cristo” é maior que a dos judeus do Templo, maior que a dos soldados romanos, maior que a de Herodes, maior que a da multidão ululante, maior que a da multidão que facilmente se deixava levar por seus líderes. Prezado amigo, afastado de Cristo, esta culpa de “matar a Cristo” é tua! É tua, primeiramente, porque teus pecados o encravaram na Cruz. Ele foi ferido por tuas transgressões; Ele foi esmagado por tuas iniqüidades, E é tua, em seguida, porque tua rejeição é o teu voto a favor de Sua morte!

Uma das mais amargas de todas as afirmações bíblicas, em minha opinião, é a que se encontra em Marcos 14:64: “ouvistes a blasfêmia; que vos parece? E todos o julgaram réu de morte”. Como voto unânime, cada papelucho estava mar­cado “Culpado de Morte”. Num sentido figurado, os pecadores de hoje em dia estão assentados naquele concilio, lançando sobre a mesa seus votos que dizem “Culpado de Morte”, por suas ações.

Como estás a votar, a favor ou contra Jesus Cristo? Lem­bra-te do que nosso Senhor declarou, em Mateus 12:30: “Quem não é por mim, é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha”. Não, não há terreno neutro!

C. O Pecado de Insultar o Espírito Santo

Além de haver o pecado de combater contra o Pai e de crucificar ao Filho, o crime de recusar-se a tomar o caminho da salvação de Deus é descrito como zombaria contra o Espírito. Hebreus 10:29, diz: “De quanto mais severo castigo julgais vós será considerado digno aquele que calcou aos pés o Filho de Deus, e profanou o sangue da aliança, com o qual foi santificado, e ultrajou o Espírito da graça?” A palavra “ultrajou” significa literalmente “insultou” e descreve exatamente o que acontece quando uma pessoa rejeita a salvação oferecida por Deus — insulta o Espírito de Deus, aqui chamado de Espírito da graça.

O Espírito Santo é o Mensageiro Especial que te convida para salvação e a vida eterna. Jesus, falando acerca de Seu ministério, disse em João 16:8-11: “Quando ele vier convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: Do pecado, porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado”.

O Espírito Santo, pois, convida-te a receber o perdão de teus pecados, mas no entanto estás respondendo-Lhe: “… ro­go-te que me tenhas por escusado” (Lucas 14:18). Ele te convida a trocares o inferno pelo Céu, como teu lar eterno, mas, no entanto, estás Lhe dizendo: “… rogo-te que me te­nhas por escusado”! Ele insta contigo para que entres numa vida de paz, felicidade e plenitude de alegria, mas estás a replicar: “… rogo-te que me tenhas por escusado”! Ele te convida para que compartilhes do privilégio de percorrer as ruas da Glória em companhia de entes queridos que já estão do outro lado desta vida, mas estás a responder: “… rogo-te que me tenhas por escusado”! Sim, rejeitar a salvação é zombar do Espírito de Deus, é insultá-Lo.

Consideremos agora:

II. O Custo Resultante Desse Crime Condenador!

A. O Alto Preço de uma Vida Malbaratada

Antes de qualquer coisa, há o custo de uma vida desperdiçada! Se continuares em tua vida perdida, terás uma existência desperdiçada no sentido de ruína. Gálatas 6:7 testifica sobre isso: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará”.

E Números 32:23 insiste: “Porém, se não fizerdes assim, eis que pecastes contra o Senhor; e sabei que o vosso pecado vos há de achar”.

Jó 4:8 contém esta observação: “Segundo eu tenho visto, os que lavram a iniqüidade e semeiam o mal, isso mesmo eles segam”.

Não te enganes a respeito, prezado amigo — se rejeitares a Cristo podes ficar certo que colherás uma vida naufragada, malbaratada, arruinada. As leis espirituais da semeadura e colheita insistem que aqueles que semeiam ventos, haverão de colher a tempestade.

Não faz muito tempo, numa prisão do Estado do Texas, conquistei para Jesus Cristo um jovem marido e pai que havia sido aprisionado por forçar a uma menina ginasiana. Ele a tinha apanhado na escola, de automóvel, fora até um lugar afastado onde bebeu cerveja até ficar fora de si e então cometeu sua ação hedionda. Na prisão, de coração despedaçado, não foi difícil de ser conquistado para Cristo, e hoje está estudando sua Bíblia e fazendo curso bíblico por correspondência na prisão estadual de Huntsville.

Entretanto, nunca me esquecerei de minha última visita àquela cela, antes de ele ser levado ao tribunal por aquele crime que podia ser punido com a sentença de morte! Por muitas vezes tenho desejado que fosse possível para cada jovem no mundo ter estado comigo naquela hora, quando ouvi seu tes­temunho. Naquele domingo, ao terminar de ler, orar e con­versar com ele me voltei para sair da cela, quando ele, estendendo o braço por entre as grades, tomou minha mão e rogou: “Não vá embora! Por favor, não vá embora! Fique mais um pouquinho, conversando comigo!” Estava tremendo da cabeça aos pés, sua voz estava trêmula e seus olhos estavam esbugalhados, num apelo patético. Disse-me então: “Sente-se ali, perto do aquecedor próximo da janela, e converse mais um pouco comigo”. Quando hesitei, ele tomou um cobertor de seu catre e disse: “Aqui! sente-se aqui! Não quero que o senhor vá embora! Quero que fale comigo um pouquinho mais”. Natu­ralmente, que fiquei com ele mais alguns momentos, e lhe dei mais alguns conselhos baseando-me nas Escrituras; porém, durante dias depois, recordava-me de suas palavras e suas ações. Seu pecado o havia achado! O diabo estava cobrando uma prestação sobre sua vida malbaratada!

E a vida vivida sem Cristo não é apenas desperdiçada no sentido de ruína, mas também no sentido das realizações. Tua vida será um fracasso se rejeitares a Cristo, a despeito de todos os teus sucessos terrenos, lucros, honras ou triunfos.

I Timóteo 6:7 nos recorda: “Porque nada ternos trazido para o mundo, nem cousa alguma podemos levar dele”. E Salmos 49:17 acrescenta: “… pois, em morrendo, nada levará consigo, a sua glória não o acompanhará”.

Se possuísses um bilhão de dólares e morresses perdido, morrerias como um fracassado! Mesmo que te tomasses presi­dente do Brasil ou ditador do mundo, se morreres sem Cristo, comparecerás à presença de Deus, como um fracassado com­pleto. Se beberes da taça dos prazeres do mundo, até seu último, sorvo, mas ao faleceres continuares perdido, enfrentarás o tribunal de Deus como pecador sem direitos, sem esperança, em bancarrota, a esperar somente pela sentença da condenação eterna!

O preço da rebelião e da rejeição é o custo de uma vida desperdiçada e arruinada, inteiramente destituída de valor.

B. O Custo de um Coração Despedaçado

Em seguida, o custo resultante do ato de rejeitar a “tão grande salvação” oferecida por Deus, é o preço de um coração despedaçado. Emprego a expressão “coração despedaçado” no sentido de uma pessoa que busca algo somente para descobrir que, ao obtê-lo, aquilo não passava de uma imitação, de uma farsa, de uma desilusão.

O pecado é assim! Aqueles que o têm experimentado têm-no achado insatisfatório. Os homens podem sorver de tudo quanto este mundo tem para oferecer, mas nunca encontrarão aqui a satisfação. Jeremias 2:13 descreve o melhor que o mundo pode dar, nas seguintes palavras: “Porque dois males cometeu o meu povo: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas”.

Prezado leitor, a satisfação verdadeira só pode ser encon­trada em Cristo. Disse Ele, em João 4:14: “… aquele, po­rém, que beber da água que eu lhe der, nunca mais terá sede, para sempre; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna”.

A experiência de Salomão confirma a verdade que tudo quanto este mundo pode produzir é a “vaidade”, e jamais a sa­tisfação. Seu testemunho se encontra, no segundo capítulo do livro de Eclesiastes, registrado para proveito de todos quantos são suficientemente sábios para aproveitarem as experiências alheias.

O prazer não pôde satisfazê-lo! Escreveu ele; “Disse co­migo: Vamos! eu te provarei com a alegria; goza, pois, a fe­licidade; mas também isso era vaidade. Do riso disse: É lou­cura; e da alegria: De que serve?” (versículos 1 e 2).

As bebidas alcoólicas não puderam satisfazê-lo! Escreveu também: “Resolvi no meu coração dar-me ao vinho regendo-me, contudo, pela sabedoria, e entregar-me à loucura até ver o que melhor seria que fizessem os filhos dos homens debaixo do céu, durante os poucos dias da sua vida” (versículo 3).

Grandes realizações não puderam satisfazê-lo! Pois eis que igualmente registrou:

“Empreendi grandes obras; edifiquei para mim casas; plantei para mim vinhas. Fiz jardins e pomares para mim, e nestes plantei árvores frutíferas de toda espécie. Fiz para mim açudes para regar com eles o bosque em que reverdeciam as árvores… Considerei todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também o trabalho que eu, com fadigas, havia feito; e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento, e nenhum proveito havia debaixo do sol… Também aborreci todo o meu trabalho, com que me afadiguei debaixo do sol, visto que o seu ganho eu o havia de deixar a quem viesse depois de mim” (versículos 4,6,11,18).

Não foi Alexandre, o Grande, que sentou-se a chorar, depois de haver conquistado o mundo então conhecido, por não haver mais mundos para conquistar? As realizações não satisfazem; e, ainda que satisfizessem, tão-somente seriam deixadas para “quem viesse depois de mim”, conforme escreveu Salomão.

As riquezas não puderam satisfazê-lo! Escreveu Salomão novamente:

“Amontoei também para mim prata e ouro, e tesou­ros de reis e de províncias; provi-me de cantores e canto­ras, e das delícias dos filhos dos homens: mulheres e mu­lheres. Engrandeci-me e sobrepujei a todos os que vive­ram antes de mim em Jerusalém; perseverou também co­migo a minha sabedoria. Tudo quanto desejaram os meus olhos não lhes neguei, nem privei o coração de alegria alguma, pois eu me alegrava com todas as minhas fadigas, e isso era a recompensa de todas elas… e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento, e nenhum proveito havia debaixo do sol” (versículos 8-10, 11c).

C. A Decisão Contra Cristo Custa Uma Influência Condenadora

Outro custo resultante da vida separada de Jesus Cristo é o preço de uma influência capaz de conduzir à condenação. Romanos 14:7 diz acertadamente: “Porque nenhum de nós vive para si mesmo, nem morre para si”. É impossível viver e morrer sem influenciar, para o bem, ou para o mal, as vidas dos outros. Se és uma pessoa perdida, tua influência só pode inclinar-se para injustiça, para fortalecer a causa de Satanás, para o inferno, para o pecado, para a iniqüidade, para a rebelião e para a rejei­ção de Cristo. É impossível influenciar os outros para o Céu, a não ser que se esteja também no caminho para o Céu. É im­possível influenciar os outros para a santidade a não ser que a própria vida siga o padrão bíblico de justiça e pureza.

Onde está tua influência? Essa influência é especial­mente poderosa no caso de pais sobre seus filhos, de maridos sobre suas esposas, de esposas sobre seus esposos, de profes­sores sobre seus alunos.

Nosso Senhor fez uma tremenda acusação, em Lucas 11 :52, quando disse: “Ai de vós, intérpretes da lei! porque tomastes a chave da ciência; contudo, vós mesmos não entrastes e impedistes os que estavam entrando”. Que pecado poderia haver mais grave que esse de “impedir” que outra alma se salve e entre no Céu? No entanto, é exatamente isso que estás fazen­do, cada dia em que continuas a andar no largo caminho da re­jeição de Jesus Cristo.

D. A Eterna e Incomensurável Perda de Tua Alma

Afinal de contas, o custo principal para ti, ao rejeitares a salvação, não é uma vida desperdiçada, nem um coração despe­daçado, nem uma influência que encaminha outros para a con­denação; o principal custo resultante para ti mesmo, é a perda de tua própria alma! Ainda que ganhasses todo o mundo, se vieres a perder tua alma, tudo será perda e coisa alguma poderá ser considerada ganho!

Uma vez mais faço a pergunta que aparece no início desta mensagem: Quanto vale tua alma, exatamente? Jesus declarou que ela valia mais que o mundo inteiro, e para provar isso, su­biu ao Calvário, à cruz manchada de sangue, a fim de redimir a tua alma! Em vista do corpo espancado, moído, alquebrado, do sangue derramado, do sofrimento e angústia mental, espiri­tual e física, e da dor do coração do próprio Deus, segue-se que tua alma é por demais valiosa para se perder! Os sofrimentos do Filho de Deus nos ajudam a perceber o valor de uma alma!

Já percebeste quão grave, quão fatal, é prosseguir sem Ele? Jesus disse que ainda que ganhasses o mundo inteiro, mas perdesse tua alma, isso seria um mau negócio, impossível de ser corrigido por toda a eternidade. Certamente deves perceber que não podes ganhar o mundo; mas, graças a Deus, podes obter o Salvador!

Caro amigo, não queres corrigir agora mesmo tua situação, abandonando a tua rebeldia e recebendo o doce Salvador, como teu Senhor e Mestre? II Coríntios 6:2 declara: “porque ele diz: Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação; eis agora o tempo sobremodo oportuno, eis agora o dia da salvação”.

Não sejas “negligente”. Tenho observado que aquele que negligencia e procrastina durante toda a vida, usualmente continua a negligenciar e a procrastinar por ocasião da morte!

Quando eu estava prestes a deixar o pastorado de uma igreja no Estado do Texas, recebi um chamado urgente do hospital local para ir até ali, imediatamente. Um homem fora baleado a sangue-frio num dos bares da cidade, e seus parentes, estranhos no lugar, haviam solicitado ao hospital que providen­ciasse um ministro evangélico para falar com ele sobre sua alma, antes que morresse.

As autoridades do hospital me chamaram e fui até perto de seu leito, tomei sua mão na minha, inclinei-me sobre a cama e sussurrei para ele à velha e doce história de Jesus e Seu amor. Por muitas é muitas vezes murmurei suavemente a passagem de Romanos 10:13: “Todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo”, exortando-o a invocar o maravilhoso Senhor para sua salvação. Porém, o homem de cabelos já brancos, com um tubo de oxigênio no nariz, que lutava para respirar, e que tinha três balas encravadas em seu corpo, e que estava a um passo da eternidade, lentamente sacudia a cabeça e dizia: “Não, agora não. Talvez mais tarde, mas não agora. Agora não!” Nada de tudo quanto eu lhe disse pode alterar sua atitude, e em ques­tão de horas já havia partido. Havia procrastinado nesta vida, e também procrastinava na morte, tarde demais!

Em Arcanum, Ohio, a pedido, fui até um hospital visitar um homem idoso que morria de câncer. Ele se mostrou muito cordial, enquanto eu, sentado diante de seu corpo ma­gro e contorcido pela dor, não comecei a falar-lhe sobre sua necessidade de salvação. Mas, logo que abordei o assunto, ele tomou de um jornal e começou a lê-lo, ignorando completamente meus apelos a respeito da sua alma. Quando inclinei a cabeça e comecei a orar em voz alta a seu favor, aquele homem, que estava na década dos seus setenta anos, e que estava muito per­to de ter de apresentar-se a Deus, começou a machucar o jor­nal para fazer-me saber que não me estava acompanhando na oração, e nem ao menos se mostrava reverente enquanto eu falava com o Todo-Poderoso.

Em Lansing, Estado de Michigan, fui até um hospital fa­lar com outro homem que também havia ultrapassado os setenta anos, e que morria de câncer e pneumonia. Seu filho havia viajado até aquele Estado nortista desde o Texas, onde freqüen­tava uma escola bíblica, para tentar conquistar seu pai para Cristo, antes de falecer. Quando lhe falei acerca do Salvador, deu-me ouvidos por alguns momentos, e então disse: “Vou es­perar até o próximo domingo, quando toda a minha família es­tiver presente”. Quando, lhe relembrei, gentilmente, que ele talvez não estivesse mais vivo até o próximo domingo, e o exor­tei a aceitar a Cristo imediatamente, ele tomou o lençol com uma das mãos, e, certamente com grande dor e esforço, lenta­mente virou-se de lado, de frente para a parede, dando-me as costas, para indicar que a entrevista havia terminado. Não so­breviveu ate o domingo seguinte, e morreu sem o Salvador, precipitando-se imediatamente no inferno eterno de tormento interminável. Sim, a longa experiência me tem ensinado que aqueles que procrastinam nesta vida, procrastinam por ocasião da morte também.

Não incorras nesse mesmo erro fatal! Volta-te neste exato momento para o compassivo Cristo que te ama, que te elevará, que te libertará, que viverá em ti para sempre! Pensa no custo! “Crê no Senhor Jesus, e serás salvo, tu e tua casa” (Atos 16:31).

Não Vendas Tua Alma; Sé Salvo Hoje Mesmo!

Confio que muitos pobres pecadores que leram esta mensa­gem estejam percebendo por esta altura quão insensato e per­verso é voltar-se contra Deus, rejeitando o Salvador, deixando que sua alma seja condenada para sempre! Em nome de Jesus, agora mesmo, este autor te implora que te voltes para Jesus Cristo, confiando Nele hoje, como teu Salvador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
30 ⁄ 5 =